Editora da Universidade de Taubaté https://editora.unitau.br/index.php/edunitau <p>Editora da Universidade de Taubaté (EDUNITAU) é uma oportunidade para professores e alunos divulgarem os seus trabalhos e dar visibilidade ao conhecimento produzido na UNITAU, ampliando o acesso ao saber e ao desenvolvimento tecnológico e social da Universidade com a publicação de livros com acesso gratuito.</p> <p>Criada em 2012, a Editora já publicou livros de poemas e sobre o escritor Monteiro Lobato, como “O Outro Lobato: Juca Tatu”, do Prof. Dr. José Carlos Sebe Bom Meihy, e “Livro de poesias”, elaborado pelos servidores da UNITAU.</p> <p>A EDUNITAU também auxilia os estudantes com a publicação de apostilas, de cartilhas e de livros pedagógicos.</p> <p>Os interessados em divulgar trabalhos produzidos na Instituição devem entrar em contato com a PREX. A Pró-reitoria irá criar um conselho para avaliar cada item enviado.</p> pt-BR Editora da Universidade de Taubaté Ações Afirmativas no Ensino Superior https://editora.unitau.br/index.php/edunitau/catalog/book/130 <p>&nbsp;“Ações Afirmativas no Ensino Superior” é uma obra produzida pelo Projeto de Extensão “IPÊ - Intervenções em Psicologia Escolar: ações afirmativas na UnB” (Universidade de Brasília, Instituto de Psicologia – Psicologia do Desenvolvimento e Escolar) o qual objetiva fomentar práticas em psicologia escolar crítica e em políticas direcionadas às/aos estudantes originários de grupos sub-representados na universidade - pessoas que pertencem a grupos sociais ou a territórios tradicionalmente menos presentes nas dinâmicas coletivas - como mulheres, pessoas negras, pessoas com mais de 50 anos, pessoas com deficiência, pessoas indígenas, pessoas LGBTQIAP+, pessoas que vivem processos migratórios e refugiadas etc. Esse livro constitui um canal de informação sobre as ações afirmativas, estimulando a concretização do direito ao acesso e à permanência no ensino superior ao público das ações.</p> Clarissa Rocha Esteves de Andrade Laís de Andrade Santos Xisto Rodrigo Rocha de Sousa Ícaro Pedraça Freitas Bruna Saraiva Candeira Fauston Negreiros Copyright (c) 2024 Editora da Universidade de Taubaté https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2024-07-12 2024-07-12 Professoras(es) de psicologia nas escolas : questões para a rede pública de ensino https://editora.unitau.br/index.php/edunitau/catalog/book/131 <p>“Professoras(es) de Psicologia nas Escolas: questões para a rede pública de ensino” é uma elaboração de psicólogas e estudantes da habilitação de licenciatura em Psicologia na Universidade de Brasília. Temos como principal objetivo abordar a licenciatura em Psicologia no cotidiano escolar do planejamento à prática em sala de aula, chamando atenção para as potencialidades da atuação da Psicologia em sala de aula. Nossa atuação diante de uma iniciativa extensionista do O Projeto de Intervenções em Psicologia Escolar na Rede Pública de Educação (IPÊ) incentivado pelo vinculado Decanato de Extensão da Universidade de Brasília pelo projeto Licenciaturas em Ação. A partir das nossas experiências em sala de aula, compartilhamos experiências, metodologias, conhecimentos técnicos e teóricos adquiridos ao longo dessa jornada. Além disso, defendemos que esse espaço também é para a atuação de psicólogas no exercício de seu compromisso social e pensamento crítico, tendo como fundamentação das nossas reflexões A Psicologia Escolar Crítica, o materialismo histórico-dialético e a Psicologia Histórico-Cultural.</p> Beatriz Silva Pereira Clarisse Costa Republicano Karla Silva de Sousa Yasmim Cristinne do Amaral Silva Fauston Negreiros Copyright (c) 2024 Editora da Universidade de Taubaté https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2024-07-12 2024-07-12 Revista de Extensão da UNITAU - VI Fórum de Extensão https://editora.unitau.br/index.php/edunitau/catalog/book/129 <p>A Universidade de Taubaté está comemo­rando 50 anos de fundação.</p> <p>Continuidade de tempo. Extensão.</p> <p>50 anos formando profissionais (mais de 100 mil!) que têm feito a diferença no desenvol­vimento da região e do País. 50 anos gerando novos conhecimentos. 50 anos transformando vidas nas comunidades. 50 anos fazendo a dife­rença na vida das pessoas. 50 anos colaboran­do com a construção de uma sociedade mais justa e inclusiva.</p> <p>Ao longo das últimas décadas, a exten­são universitária brasileira também tem percor­rido um longo caminho, sendo agora reconheci­da como parte essencial na formação do ensino superior, como prevê a nossa Constituição.</p> <p>E é no momento dessas importantes co­memorações que apresentamos a você, caro lei­tor, essa edição especial da Revista de Extensão da Universidade de Taubaté. Ela traz um breve (brevíssimo!) resumo sobre a amplitude, sobre a dimensão, sobre a capacidade extensionista que nossa Universidade tem, desde seus pri­mórdios, e que já se tornou indissociável dessa história.</p> Aline Fernanda Lima Ferreira Letícia Maria Pinto da Costa Luzimar Goulart Gouvêa Copyright (c) 2024 Editora da Universidade de Taubaté https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2024-06-24 2024-06-24 A REUTILIZAÇÃO AGRÍCOLA DO LODO DE MALTERIA NO CULTIVO DE MILHO https://editora.unitau.br/index.php/edunitau/catalog/book/127 <p>O lodo proveniente do processo de malteação é um material orgânico composto de nutrientes essenciais para as plantas e, devido a essas características, a reutilização agrícola do lodo poderá ser uma alternativa a deposição no aterro sanitário. Para avaliar a reutilização agrícola do lodo, a Malteria Soufflet Brasil Ltda estabeleceu uma parceria com a FAPETI (Fundação de Apoio à Pesquisa, Tecnologia e Inovação da UNITAU) com o objetivo de estudar a viabilidade para a utilização do lodo no sistema de produção do milho (<em>Zea mays</em>).</p> <p>O presente livro apresenta a composição química e patogênica do lodo de malteria e os resultados obtidos com a taxa de biodegradação do lodo no solo, a taxa de germinação das sementes no campo, os teores de macronutrientes e micronutrientes nas folhas de milho, a fertilidade do solo, a produtividade de grãos obtida nas culturas do milho em função da aplicação de doses de lodo (0, 24, 48 e 72 Mg ha<sup>-1</sup>).</p> <p>A composição do lodo apresentou os teores de metais pesados, Coliformes termotolerantes e <em>Salmonella </em>sp. abaixo dos limites considerados como inadequados para a reciclagem agrícola.</p> <p>As doses de lodo aplicadas no solo apresentaram uma taxa adequada de biodegradação, favoreceram a germinação das sementes de milho, proporcionaram uma melhora na fertilidade do solo com o incremento na disponibilidade de fósforo. A produtividade de grãos obtidas com as doses de lodo ficou acima do valor verificado com a adubação mineral recomendada para a cultura do milho e dentro da média de produtividade observada no Brasil. Os teores de macronutrientes e micronutrientes absorvidos pelas plantas ficaram dentro da faixa nutricional adequada para a cultura do milho.</p> ompadmin ompadmin Nara Lucia Perondi Fortes Lucilene Carvalho Silva João Victor Guedes Vinicius da Silva Naldi Walther Nabor Peloggia de Macedo Copyright (c) 2024 Editora da Universidade de Taubaté https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2024-05-29 2024-05-29 Revista de Extensão da UNITAU - Edição Especial ABRUEM https://editora.unitau.br/index.php/edunitau/catalog/book/126 <p>Vimos trazer a público mais um número da Revista de Extensão da UNITAU (Universidade de Taubaté), a que chamamos de Edição Especial ABRUEM.</p> <p>Esta edição é um momento de culminância do 4º Encontro de Extensão da ABRUEM, que se realiza na Universidade de Taubaté, no início do mês de abril de 2024.</p> <p>De maneira mais ampla, este número centra-se nas discussões e na apresentação de resultados do fazer extensionista nas universidades estaduais e municipais, reflexo das atividades que as câmaras específicas propõem nos fóruns de discussão, quando indicam tratativas e encaminhamentos às diversas áreas que conduzem as políticas públicas de educação, nas suas diversas interfaces com outras áreas.</p> <p>Uma das circunstâncias que presidem as atividades extensionistas nas universidades públicas é seu <em>locus</em> de atuação. As universidades federais quase sempre estão nas capitais, o que representa uma redução do fazer extensionista, que, também quase sempre, não abarca populações amplas na distribuição territorial, ou seja, têm uma menor capilaridade. Por sua vez, as universidades estaduais e municipais envolvem uma diversidade de ações e de públicos bem maior. Esse “crescer” para as zonas interioranas é salutar, pelos benefícios específicos, e mesmo gerais, que podem levar às comunidades. Isso, em última instância, significa uma capilaridade muito maior, coisa a que devem estar atentos as pró-reitoras e pró-reitores destas universidades.</p> Letícia Maria Pinto da Costa Juliene Rezende Cunha Marcon Evandro Salvador Alves de Oliveira Copyright (c) 2024 Editora da Universidade de Taubaté https://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2024-04-11 2024-04-11